Infecção urinária e cateterismo vesical intermitente

Parte do fórum que possui Conteúdo Teórico.
Informações sobre: Espinha Bífida; Bexiga Neurogênica; Cateterismo vesical; Entre outros.

Infecção urinária e cateterismo vesical intermitente

Mensagempor equipemielo » Qui Jun 26, 2014 06:44

Infecção urinária

Uma das complicações do cateterismo vesical intermitente é a Infecção Urinária Sintomática (ITU-Infecção do trato urinário).

Como sinais e sintomas da infecção urinária sintomática você poderá observar: febre, hematúria (sangue na urina), alteração do odor da urina ("fica mais forte"), alteração das características da urina (ela pode ficar mais escura, turva (embaçada) e/ou com resíduos/sujeiras), calafrios e mal estar.

A melhor maneira de
prevenir a infeção urinária sintomática é realizar o cateterismo vesical intermitente limpo de maneira correta!

Na maioria dos casos as infecções urinárias sintomáticas são
tratadas com medicamentos (antibióticos) que são receitados pelo médico.


Bacteriúria Assintomática

- É a presença de microrganismos (por exemplo: bactérias) de baixa virulência na urina.

- O indivíduo apresenta bactérias na urina mas
não apresenta sintomas de infecção urinária (febre, calafrios, mal estar, sangue e/ou pus na urina).

- Geralmente é encontrada em cerca de 75% dos indivíduos com bexiga neurogênica que realizam o CI.

- Nesses casos,
o tratamento com antibióticos não é necessário, com exeção de alguns casos e/ou presença de outras anomalias associadas, como o refluxo vesicoureteral grave.

- Algumas medidas podem prevenir a infecção urinária, como o consumo de líquidos (água, sucos cítricos, chás) e realização correta do cateterismo vesical intermitente.

Informações sobre o Cateterismo Vesical Intermitente você encontra nesse Fórum no tópico Cateterismo Vesical Intermitente
.

Referências Bibliográficas

1. ASLAN AR, KOGAN BA. Conservative management in neurogenic bladder dysfunction. Curr Opin Urol 2002; 12(6):473–7.
2. CINTRA C. Alterações urológicas. In: Chamlian T, editor. Medicina Física e Reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. p. 239–44 .
3. CLAYTON DB, BROCK JW, JOSEPH DB. Urologic management of spina bifida. Dev Disabil Res Ver 2010; 16(1):88–95.
4. EUROPEAN ASSOCIATION OF UROLOGY SMDCECGK. Guidelines on Neurogenic Lower Urinary Tract Dysfunction EAU; 2006
5. FALEIROS-CASTRO FS. Spina bifida and intermittent bladder catheterization in the context of rehabilitation: a comparative study of the technical and bio-psycho-social aspects in Brazil and Germany. Universidade de Dortmund: Faculdade de Ciências da Reabilitação; 2012.
6. GOMES C, FILHO J, TRIGO-ROCHA F. Disfunções miccionais neurogênicas. In: Rodrigues Netto Jr N, Levi D'ancona CA, Palma PCR, editors. Urologia Prática. São Paulo, Brasil: Roca; 2007 (vol. 5).
7. NEWMAN DK, WILLSON MM. Review of intermittent catheterization and current best practices. Urol Nurs 2011; 31(1):12-28, 48; quiz 29.
8. RODRIGUES NETTO JR N, WROCLAWSKI ER. Urologia: fundamentos para o clínico. São Paulo, Brasil: Sarvier; 2000.
9. STÖHRER M et al. et al. EAU Guidelines on Neurogenic Lower Urinary Tract Dysfunction. Eur. Urol 2009; 56(1):81–8.
Equipe MieloFórum
Avatar do usuário
equipemielo
 
Mensagens: 58
Registrado em: Seg Fev 10, 2014 08:06

Voltar para Saiba mais sobre a Mielomeningocele/Espinha Bífida

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes

cron