O que é Espinha Bífida/Mielomeningocele?

Parte do fórum que possui Conteúdo Teórico.
Informações sobre: Espinha Bífida; Bexiga Neurogênica; Cateterismo vesical; Entre outros.

O que é Espinha Bífida/Mielomeningocele?

Mensagempor equipemielo » Ter Jul 22, 2014 11:47

ESPINHA BÍFIDA

A Espinha Bífida, também conhecida como Disrafismo Espinhal, é uma malformação congênita (presente ao nascimento), caracterizada por um fechamento incompleto do tubo neural (é o que dá origem a coluna vertebral).

Pode ser classificada como Espinha Bífida Aberta ou Fechada.

A Espinha Bífida Aberta pode ser dividida em:


- Mielomeningocele (MMC): lesão da linha média contendo líquor (líquido estéril presente no cérebro e medula espinhal), meninges (camadas que protegem o sistema nervoso central) e elementos da medula. Tecido nervoso exposto (não coberto por pele).

- Meningocele: lesão cística (forma uma "bolsa" que é composta por líquor, meninges e pele).

- Lipomielomeningocele: massa de gordura, geralmente coberta por pele, que se estende para a medula.

Imagem
Legenda de cores: Vermelho: Medula Espinhal; Verde: Meninges; Cinza: Estruturas Ósseas; Preto: Discos Vertebrais.
Legenda numérica: (1) Coluna normal; (2) Meningocele; (3) Mielomeningocele


No vídeo abaixo você pode ver como é a mielomeningocele "dentro do corpo"


Vídeo produzido pelo Studio Liah Multidesign


A
Espinha Bífida Fechada pode ser dividida em:

- Diastematomielia: a porção caudal (porção final) da medula é partida. Os segmentos são, muitas vezes, separados por um esporão ósseo ou cartilaginoso.

- Medula Presa: o cone medular e o filum terminal espessado estão fixos à estrutura óssea.

- Sinus Dérmico: ocorre uma comunicação (fístula epitelial) que se estende da pele para tecidos mais profundos. Há possibilidade de comunicação com o espaço subdural e desenvolvimento de meningite.

- Espinha Bífida Oculta: ocorre fechamento incompleto de arcos vertebrais. Não há outras alterações.

Problemas associados à Espinha Bífida

A fraqueza muscular, a alteração da sensibilidade cutânea, as lesões de pele, as deformidades, a dificuldade de locomoção, a obesidade/o sobrepeso, a alergia ao látex, as alterações intestinais e as alterações urológicas, são problemas comumente associados à Espinha Bífida.

Alterações neurológicas associadas à Espinha Bífida são: a Hidrocefalia, Malformação de Arnold Chiari tipo II, Síndrome da Medula Presa e as Alterações Cognitivas.


Prevenção da Espinha Bífida

Várias pesquisas comprovam que o ácido fólico desempenha papel importante na redução da ocorrência de Espinha Bífida. É recomendado o uso de ácido fólico três meses antes da gravidez e durante o seu primeiro trimestre.

Tratamento da Espinha Bífida

Para a Espinha Bífida Aberta, uma intervenção cirúrgica neonatal, nas primeiras 24 horas de vida, pode ser realizada.

A introdução da
válvula de derivação ventriculoperitoneal (VDVP), para tratamento da hidrocefalia, foi um grande avanço na sobrevivência dos indivíduos com Espinha Bífida.

O
processo de reabilitação, envolvendo profissionais de diversas áreas, como por exemplo, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, psicólogos e médicos, contribui para que o indivíduo desenvolva o maior nível de autonomia possível e participe ativamente da sociedade.

Imagem
Mielomeningocele antes e depois da cirurgia


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. CATALA, M. Embryology Applied to Neural Tube Defects (NTDs). In: ÖZEK, M.M.; CINALLI, G.; MAIXNER, W. J.; editors. Spina bifida: Management and outcome. Milan, New York: Springer; p. 19–42, 2008 .
2. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação. Espinha Bífida (http://www.redehsarah.br). Acesso em 15 jun. 2013.
3. CHESCHEIR, N. C. Maternal-fetal surgery: where are we and how did we get here? Obstet Gynecol, 113(3):717–31, 2009.
4. HENRIQUES, J.; PIANETTI, G. Disrafismos Espinhais. In: FONSECA, L., XAVIER, C., PIANEETI, G. editors. Compêndio de Neurologia Infantil. 2nd ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2011. p. 859–63 .
5. BOOCKVAR, J.A.; LOUNDON, W.; SUTTON, L.N. Development of the Spitz-Holter valve in Philadelphia. J. Neurosurg. 95(1):145–7, 2001.
6. SAWYER, S.M.; MACNEE, S. Transition to adult health care for adolescents with spina bifida: Research issues. Dev Disabil. Res Revs. 16(1):60–5, 2010.
7. FALEIROS-CASTRO, F. S. Spina bifida and intermittent bladder catheterization in the context of rehabilitation: a comparative study of the technical and bio-psycho-social aspects in Brazil and Germany. Universidade de Dortmund: Faculdade de Ciências da Reabilitação; 2012.
Equipe MieloFórum
Avatar do usuário
equipemielo
 
Mensagens: 58
Registrado em: Seg Fev 10, 2014 08:06

Voltar para Saiba mais sobre a Mielomeningocele/Espinha Bífida

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante

cron